O Cristo Redentor é uma estátua de 30 metros de altura mais 8 metros do pedestal, e 28 metros de largura, localizada no alto do Morro do Corcovado, a 709 metros acima do nível do mar. Feita de concreto armado e pedra-sabão, pesa 1145 toneladas e é terceira maior escultura de Cristo no mundo.

O monumento foi listado como uma das sete maravilhas do mundo moderno, considerado como patrimônio da humanidade pela Unesco, e está em primeiro lugar no Traveller’s Choice TripAdvisor, prêmio que elege os melhores do turismo de acordo com a opinião de membros do site em todo o mundo, entre os 10 principais pontos de referência no Brasil.

Agora, você sabe como esse monumento surgiu no Rio de Janeiro e se tornou um dos mais conhecidos do mundo?

 

História do Cristo Redentor

Em 1859, o padre lazarista francês Pierre Marie Boss sugeriu colocar um monumento religioso no alto do morro do Corcovado. Na época, a então regente do Brasil, Princesa Isabel, apoiou oficialmente, porém com o país se tornando República em 1889 e a separação entre igreja e Estado, a proposta ficou parada. Pouco mais de 30 anos depois, em 1912, o Cardeal Dom Joaquim Arcoverde, retomou o pensamento da construção de um Cristo como um lembrete ao povo que a igreja estava presente.

Tendo em vista as comemorações do centenário da independência, em 1921, o Círculo Católico do Rio de Janeiro organizou um evento chamado Semana do Monumento, com o objetivo de arrecadar doações e obter assinaturas em apoio a construção. Um ano depois, mais de 20 mil nomes no abaixo-assinado levaram o então presidente Epitácio Pessoa a aprovar não só a construção como doar o morro do Corcovado e em 4 de abril de 1922, era lançada a pedra fundamental do Cristo Redentor.

Muitos projetos foram apresentados e o Cristo Redentor de braços abertos, um símbolo de paz, do engenheiro Heitor da Silva Costa, foi o escolhido. O artista plástico Carlos Oswald fez o desenho final e escultor franco-polonês Paul Landowski, modelou as peças.

A obra foi iniciada em 1926 e teve o custo de 250 mil dólares. Durante o evento de inauguração, em 12 de outubro de 1931, o jornalista Assis Chateaubriand havia programado com o cientista Guglielmo Marconi, pioneiro de rádio de ondas curtas, a iluminação de holofotes que receberiam um sinal elétrico acionado remotamente de Roma, na Itália, a mais de 9 mil quilômetros de distância. No entanto, com o mau tempo do dia, foi preciso ser acionada direto da cidade do Rio de Janeiro. Ainda assim, a grandiosa estátua foi inaugurada.

 

Reformas

Com o passar dos anos, muitas reformas e melhorias foram feitas no local. Em 1943, um trabalho realizado por Heitor da Silva Costa, ampliou os mirantes, construiu escadas e das muretas, sendo inaugurado em julho de 1945.

Em 1965, no centenário da cidade, uma nova iluminação de 44 refletores viria substituir a colocada inicialmente. Em 1979, era reinaugurada a ferrovia com trens mais modernos.

Por ocasião da visita do Papa João Paulo II ao Brasil, em 1980, o Cristo passaria por sua primeira reforma e 10 anos depois, uma restauração aconteceria novamente.

 

Como ver melhor o Cristo Redentor

Existem duas maneiras para ver melhor a estátua. A primeira delas é se programando bem para enfrentar algumas filas e se aglomerar um pouco em busca de um bom lugar para tirar fotos, já que o local é bastante visitado.

A outra forma, é fazer um voo panorâmico de helicóptero e poder ver o monumento de todos os lados e toda a natureza em volta dele de um ângulo especial, dentro de uma aeronave confortável.

Entre em contato com a equipe do Comandante Nobre e programe seu passeio.